quarta-feira, 22 de março de 2017

A música



Naqueles tempos, quando regressava da casa da minha avó para a cidade, trazia sempre comigo um búzio da praia que me fazia lembrar o rumor distante de um mar invisível. Com ele encostado ao ouvido, transformava-me num caracol marinho, recolhido na sua concha de silêncio. Os meus pais diziam-me que eram apenas saudades, mas eu sabia que era muito mais do que isso. Na minha estranha dor, tão difícil de pôr em palavras, sentia que a alma me tinha sido levada para longe. Escondia-me atrás do meu cabelo escuro e comprido e desaparecia para dentro. As coisas vinham ter comigo, mas eu ficava fechada na minha escuridão ferida. Partida pelo tempo, triste por perceber que a vida era feita de marés secretas, períodos de sol invisível, eclipses e interrupções, fixava-me nas distâncias, nos lugares em que as tardes inteiras não terminavam. Num domingo de outono, após muitos dias sem sol, o meu pai colocou um disco de Bach a tocar. Eu, que estava sentada em cima da minha solidão à espera de ninguém, senti que aquela música vinda de longe vinha também do fundo de mim. Era como uma maré que me embalava e que eu conhecia bem. Por momentos, deixei de ser ausência. Deixei de ser o oco das pessoas que deixara a sul para passar a ser um ninho, um coração. Era como se a minha ferida ganhasse uma nova profundidade, um sentido que se estendia e brilhava ao sol. Era ela que me fazia escutar aquela música com um ouvido que só sabe ouvir por dentro. Foi nesse dia que descobri que, antes de mim, já alguém sentira essa mesma ferida, essa dor que parecia ter tanta vida como o próprio mar. E era ele, esse músico ferido com as coisas da terra, que me enviava aquele pássaro das lonjuras que, com as suas imensas asas transparentes, me fazia subir a alma até à altura do céu, e me ensinava a ouvir a música das coisas que não se podem ver.

 

                                   
                                                         [O que ouvi naquele domingo de outono.]



34 comentários:

  1. ...ou ver certas coisas como só a música consegue mostrar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A música é uma chave para interpretar o mundo.

      Eliminar
  2. um choro rendido, feito música.
    beijo, Miss Smile :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um riacho de paz no meio do oceano.

      Um beijinho, ana :)

      Eliminar
  3. um dia, Miss Smile, quando roubar uma rua de Lisboa para mim, gostava que lá tivesse a ouvir-me. :)

    deixo-lhe um beijo no coração. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas é só avisar, querida Alaska, que eu lá estarei, na primeira fila, com um enorme ramo de margaridas. :)

      Um beijinho :)

      Eliminar
  4. Caramba Miss Smile, senti-me invadida ao mesmo que ficava com certeza que não estou só, nessa lonjura.

    Bom dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A música é uma realidade fluida, idêntica à experiência dos pássaros das lonjuras.

      Uma boa noite, noname

      Eliminar
  5. Dizer que não encontro palavras para descrever o profundo sentir que este seu desabafo me inspirou, é cair na banalidade de palavras escritas e reescritas por tanta, tanta gente, mas é a mais pura verdade.
    Assim, querida Miss Smile, transcrevo as suas palavras:

    “Foi nesse dia que descobri que, antes de mim, já alguém sentira essa mesma ferida, essa dor que parecia ter tanta vida como o próprio mar. E era ele, esse músico ferido com as coisas da terra, que me enviava aquele pássaro das lonjuras que, com as suas imensas asas transparentes, me fazia subir a alma até à altura do céu, e me ensinava a ouvir a música das coisas que não se podem ver.”

    Bach, gostaria de saber que, depois dele, houve/há, uma alma que se identifica com a sua. E não só e apenas Bach, sei de alguém que vai adorar vir aqui, 'revê-la', e deleitar-se com a música e com as suas palavras...Bem-haja por isso.:)

    Um beijinho, querida Miss Smile :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, querida Janita. Há muitas almas por esse mundo fora a venerar J.S.B. A sua música está impregnada de milhões de dedadas de séculos. Nela, repousa o coração da vida.

      Um beijinho :)

      Eliminar
  6. subir a alma até à altura do céu, e ouvir a música das coisas que não se podem ver é algo absolutamente etéreo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Creio que era Eduardo Lourenço que dizia a propósito das suites de Bach que, quando as ouvia, pensava em tudo aquilo que queria ser e que não tinha tido coragem para ser. A música de Bach faz-nos querer ser o que ainda não conseguimos ser. Por isso, sim, é absolutamente éterea, porque nos eleva e nos leva a querer transcender.

      Um abraço, Impontual

      Eliminar
  7. A vida é, na realidade, feita de tudo o que ficou escrito e muito mais. Amor/ódio, querer/ não querer, desespero/ felicidade, dias escuros/noites em claro. A música tem o condão de nos fazer esquecer tristezas, desenganos. Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez não nos faça esquecer completamente as tristezas e os desenganos, mas purga as emoções e reconcilia-nos com o mundo.

      Um abraço, Benó

      Eliminar
  8. só a música consegue isso
    e só a Miss Smile consegue convertê-lo em palavras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A realidade só oferece consolação quando é transformada. Somos nós que fazemos o nosso céu na terra. E a música de Bach contribui para isso.

      Eliminar
  9. Esta, querida Miss Smile, é "só" a minha música preferida de todas as músicas que já me foi dado ouvir na vida.
    E este tão belo texto canta-a (usando o termo do Impontual, que foi tão bem escolhido), e canta-a tão bem.
    :-)
    (lembro-me que já uma vez, há muito tempo, descreveste num post a música de Bach, sem particularizar nenhuma, creio, de uma forma belíssima, belíssima. aliás... como sempre)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É também uma das minhas preferidas, pois foi a primeira que tive consciência de ouvir. :)

      Sabes, quando estava grávida dos meus filhos, ouvia Bach todas os dias na esperança que os bebés, ainda dentro da minha barriga, ouvissem também. Mas há um que aprecia mais do que o outro.:)

      Eliminar
  10. Um búzio! Quem nunca colocou um no ouvido para ouvir o mar no nca poderá sentir o espanto de quem já o fez
    Kis :=}

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos os búzios trazem a voz do mar, como diria Sophia.

      Um beijinho, AvoGi

      Eliminar
  11. fantástico o que a música faz...
    fantástico o que a Miss Smile faz com as palavras...
    fantástico...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, CC.
      A música de Bach é que faz milagres. Depois de a ouvir, sou uma boa pessoa durante, pelo menos, cinco minutos :)

      Eliminar
  12. É com a música que nos elevamos e voamos bem alto. Com a música e com as suas palavras Miss Smile. Bem haja :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aprender a voar pode ser um comprometimento com a vida.

      Obrigada, GM. :)

      Eliminar
  13. Boa noite Miss Smile, o prometido é devido, deixo aqui o link que a levará à minha interpretação do seu belíssimo texto.

    https://metamorphosis-mussitografias.blogspot.pt/2017/03/643-musica_11.html
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já fui espreitar. Ficou muito bonito.

      Muito obrigada, noname :)

      Eliminar
  14. Adorei o texto, tudo! Muito obrigada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu é que agradeço, Maria do Mundo :)

      Eliminar
  15. Prosa poética no seu melhor, Miss Smile.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Pedro. :)

      Um beijinho

      Eliminar
  16. Querida Miss Smile, deixei-me embalar pela música mas principalmente pelas suas palavras...
    Pensamos que a nossa dor é única, exclusiva, e quando algo nos desperta para outra dor com a qual nos identificamos, nunca mais estamos sozinhos.
    Estas suas memórias, embora dolorosas, são tão lindas, tão cheias de poesia....e música.

    Um grande beijinho


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tento encontrar beleza em tudo, até nos momentos menos bons. Sem ela, a vida seria um deserto espiritual.

      Eu é que agradeço as suas generosas palavras.

      Um beijinho, querida Fê

      Eliminar
  17. Grata por estes momentos deliciosos de partilha de sentimentos e música.
    Grande abraço.
    ~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A música é uma beleza líquida que nos envolve. A Majo sabe do que falo.

      Um grande abraço

      Eliminar