domingo, 19 de abril de 2015

Miss, smile



Miss Smile é apenas mais um nome que oculta um rosto sob a máscara do anonimato. Mas se a Miss Smile desse pelo nome de Maria, Rita ou Margarida, nomes que lhe confeririam uma existência mais verosímil, isso mudaria alguma coisa? Penso que não, porque quem me lê continuaria sem saber quem sou, tal como não conhece a massa anónima de Cristinas, Ritas e Margaridas que povoa a blogosfera. Da mesma forma que ninguém duvida da irrefutável realidade de um lenço amarelo, mesmo quando esse lenço amarelo é simultaneamente designado de acessório, lenço da mãe, lenço para o frio ou prenda de aniversário, também eu posso ser Miss Smile, sem que este nome me retire a identidade ou a autenticidade.

O meu gato, por exemplo, chama-se Biju, embora eu lhe acrescente sempre o epíteto de “Mestre”, não por aquilo que ele me ensina, pois é comummente sabido que os gatos não ensinam nada, mas por aquilo que eu aprendo com ele. Todavia, quando penso nele, penso sempre em Artur, que é o nome que lhe estava destinado numa alusão vaga a Schopenhauer. As doces súplicas dos meus netos e a sua preferência pelo nome Biju levaram a melhor. No entanto, num voto de fidelidade a mim mesma, o Biju continua a ser Artur para mim. E embora o gato seja o mesmo, o que difere é o olhar. Os meus netos veem-no como Biju. E embora eu o designe por Biju quando lhe afago o pelo, continuo a vê-lo como Artur. Não há aqui qualquer dualidade. Afinal, ambos os nomes designam o mesmo gato que, indiferente a questões ontológicas, dormita, plácido e indiferente, no sofá, existindo em todo o seu esplendor no contexto que o circunda. E isto faz-me pensar na trama múltipla e oculta das nossas existências. As que pensamos que temos e as que nos atribuem. É essa descontinuidade que o espelho que são os outros nos devolve todos os dias. E talvez por isso, escrever seja uma forma de preencher esses espaços em branco da existência.

Mas regressemos à questão do nome. O nome, por vezes, diminui-nos, aumenta-nos ou contrai-nos. Quando penso no meu nome de batismo fico presa num tempo, num espaço e em todos os vínculos que o sustentam. Miss Smile é uma criação, um pseudónimo. Mas é um nome de carne e osso. Isso posso assegurar-vos. Miss Smile sou eu. Escolhi-o, porque me relembra que é preciso sorrir todos os dias. Sorrir, sobretudo por dentro, como uma oração que se profere em silêncio. Mesmo quando a vida mostra a sua face mais cruel. Mesmo quando as lágrimas me cortam a respiração e a dor me comprime o coração num abraço apertado. Mesmo assim, é preciso sorrir. Para mim e para o mundo. Para a beleza das coisas criadas. É desta forma que seduzo a vida e agradeço as pessoas e as coisas que iluminam e aquecem os meus dias como um sol. Só isso. Quando me distraio, logo uma singela vírgula disciplinadora se interpõe entre a forma nominal e o nome próprio, chamando-me à razão: Miss, smile.

Sem imposições e preconceções, eu diria que a Miss Smile é mais genuína do que eu, porque se libertou da objetividade de um nome que a enquadra. É exatamente esse desenraizamento que a impele a escrever, sentir e ser o que lhe aprouver. Adquirir um novo nome não significa atraiçoar o primeiro, mas enriquecer o que já se é com uma nova alma. A identidade é uma procura constante do que se é e do que se pode ser. Porque o mundo é aberto e incompleto.


24 comentários:

  1. Que texto esplêndido! Concordo em absoluto, Miss Smile.

    ResponderEliminar
  2. Os gatos ensinam-nos muito Miss Smile... :)

    Um beijinho. Gostei muito deste seu texto...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. CF, temos muito a aprender com os gatos :)
      Um beijinho e obrigada.

      Eliminar
  3. Belíssimo texto :)

    Uma confidência: ando há cerca de 13 anos pela blogosfera e só há 4 anos inseri o meu nome de registo. Antes, já tinha sido João, Francisco e até nome de mulher (nicknames comuns) em outros blogues. Como vê, não tenho algum prurido quanto ao anonimato, desde que este não seja instrumento de agressão, pois quem o faz é, antes do mais, cobarde.
    Beijinhos

    ps: permita-me o espaço para responder aqui à minha querida colega CF: Os gatos, como as crianças de tenra idade, não têm o propósito de nos ensinar, nós é que sem eles saberem aprendemos muito. É diferente :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paulo, quanto à sua inconfidência, fique descansado que a minha boca é um túmulo :) E concordo totalmente consigo quando escreve que usar o anonimato para ofender, agredir e desconsiderar revela uma grande falta de caráter e uma enorme cobardia.
      Obrigada e um beijinho

      Eliminar
    2. Por falar no Mestre Artur, ele também é carrancudo...? :)

      Eliminar
    3. É carrancudo, pouco dado a demonstrações de afeto, anti-social e dono de uma vontade férrea. Escolhe sempre o melhor lado do sofá para dormitar, ou seja, o lado banhado pelo sol. Tem as patas bem assentes na terra e uma grande agilidade, sempre pronto para apanhar as moscas mais desprevenidas :)

      Eliminar
  4. Não podia concordar mais com este texto! ;) Ter um "segundo" nome não nos torna diferentes, não nos torna "mentirosos" ou falsos, mas sim, muitas vezes, permite-nos ser mais o nosso "EU" de verdade! ;) O sorriso é uma qualidade maravilhosa que o ser humano tem, ou pode ter! :) Eu digo sempre que nunca vou amaldiçoar as rugas do sorriso, pois simplesmente reflectem a pessoa feliz que fui / sou! ;)
    Boa semana com boas leituras!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luísa, foi a forma que encontrei para escrever com menos filtros. Confesso que teria um enorme pudor em escrever com o meu nome de registo. Quanto ao sorriso, temos de o cultivar como uma flor no jardim.
      Um beijinho

      Eliminar
  5. Opções perfeitamente respeitáveis.
    Prefiro escrever com o meu nome, mostrar a minha cara.
    Quem prefere outro caminho, vai pelo caminho que escolheu.
    Sem problemas.
    Boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E isso mesmo, Pedro. Cada um segue pelo caminho que escolheu. Obrigada e boa semana!

      Eliminar
  6. Um nome muito bem escolhido, Miss Smile :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Gabi.
      Um beijinho para si

      Eliminar
  7. Miss Smile muito prazer ! :)
    Um texto muito bom que podia ser meu, tivesse eu o teu dom; quando escolhi ser Fê blue bird.
    Já agora adoro gatos e só tenho aprendido com eles.
    Miss Smile temos para já duas coisas em comum :)

    beijinho e boa semana


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fê blue bird, muito obrigada. Tenho a certeza que teremos muitas mais coisas em comum :)
      Um beijinho e boa semana

      Eliminar
  8. Gostei demais do seu texto, Miss Smile. Você se coloca muito bem na escrita.
    Não acho que um nome seja importante na esfera virtual, já que muitos podem estar se utilizando de um perfil fake. Na verdade, quando interajo com alguém, é através da escrita que traço o perfil de quem está do outro lado da telinha, seja através de seus próprios textos ou de comentários proferidos nos mesmos espaços que frequento. E este pseudônimo escolhido por você é muito gracioso, pois, como você mesma ressalta, remete a sorriso, um movimento labial/facial que afaga e conquista. E, afinal, um pseudônimo tem a vantagem de deixar quem o utiliza mais a vontade para se expressar.

    Feliz semana.

    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vera, os seus comentários são sempre tão simpáticos e queridos! Muito obrigada pelo carinho.
      Beijinhos

      Eliminar
  9. Tem graça, nunca tinha pensado nos nossos nomes, e nos avatares que escolhemos.
    Eu não consigo identificar-me com o meu nome de baptismo. Não é feio nem bonito, simplesmente, não é eu.
    Sou e fui toda a vida o petit nom que o meu pai me pôs, ainda no berço. Não respondo por mais nenhum, colou-se-me tanto como a cor dos olhos ou o formato das orelhas :)
    O avatar que tenho foi uma brincadeira minha, inconsequente, que, cada vez mais, se descola do meu blog, mas é uma culpa meio cómica que terei que carregar pela minha vida blogosférica fora :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Compreendo perfeitamente. O nosso nome de batismo limita-nos e contrai-nos, enquanto um avatar nos oferece todo um mundo de novas possibilidades. O meu nasceu assim, do nada. Nem sequer foi muito pensado, mas até acho que combina com o blog.
      O seu, para ser sincera, não condiz muito com o seu blog que é um blog mais sério do que se possa pensar. Por detrás das piadas e gargalhadas, transparece uma sensibilidade tão apurada que, na maioria das vezes quando a leio, fico de lágrima ao canto do olho. No entanto, para mim, a LP é a LP - a Linda Princesa :)

      Um beijinho e bom fim de semana

      Eliminar
  10. Beijinhos, Miss Smile.
    Bom fim de semana :)

    ResponderEliminar
  11. Muito bem e muito bom. Na humilde opinião que trago. Ando a farejar para trás...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo interesse, M Campos.

      Um beijinho :)

      Eliminar